• Rádio Online
  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube

Próxima


Santa Sé e Palestina assinam Acordo Global

29/06/2015

Próxima
29/06/2015
Bispo de Dourados se manifesta sobre os conflitos entre agricultores e indígenas na Diocese
Por: Redação

     Pela enésima vez, o território da Diocese de Dourados se tornou palco de enfrentamentos entre indígenas e agricultores, revelando o descaso e a desumanidade do Poder Executivo e Judiciário ante uma situação de injustiça que a todos preocupa e prejudica.


     Nesses 15 anos desde que assumi o serviço pastoral na Diocese de Dourados, habitada por uma população de 35.000 índios confinados em aldeias incapazes de os sustentar, e por igual ou superior número de agricultores que adquiriram legalmente suas propriedades e delas precisam para viver, foram inúmeras as vezes em que os Bispos do Mato Grosso do Sul unimos nossas vozes aos que apresentam como solução viável e aceita por ambas as partes, a compra de terras pelo Governo Federal, para oferecê-las aos indígenas para que delas tirem o seu sustento.


     Infelizmente, ao longo destes anos, as promessas feitas pelo Governo Central para encontrar uma saída para a “questão indígena”, não saíram do papel. Os grupos de trabalho organizados para ajudar na solução, não funcionaram. E as tímidas tentativas feitas para indenizar os proprietários de boa fé que adquiriram suas terras, foram abortadas pela Justiça local. Numa palavra, o Estado parece não ter a menor intenção de agir.


     De nossa parte, os Bispos do Mato Grosso do Sul, se jamais nos posicionamos a favor das “retomadas” de propriedades privadas (que para a lei e os agricultores são “invasões”), da mesma forma sempre nos posicionamos contra o uso da força e da violência perpetrada pelos mais fortes contra os mais fracos.


     Pedimos aos agricultores e indígenas cristãos que, sustentados e irmanados pela solidariedade, unam suas forças para pressionar as autoridades civis e judiciárias, no intuito de obter a tão almejada paz para todos, alicerçada na justiça. Pensamos que, nessa tarefa, lhes é de grande ajuda a exortação do Papa Francisco, contida em sua Encíclica: “A Alegria do Evangelho”, de 24 de novembro de 2013:


     «Ninguém nos pode exigir que releguemos a religião para a intimidade secreta das pessoas, sem qualquer influência na vida social e nacional, sem nos preocupar com a saúde das instituições da sociedade civil, sem nos pronunciar sobre os acontecimentos que interessam aos cidadãos. Uma fé autêntica – que nunca é cômoda nem individualista – comporta sempre um profundo desejo de mudar o mundo, transmitir valores, deixar a terra um pouco melhor depois da nossa passagem por ela. Amamos este magnífico planeta, onde Deus nos colocou, e amamos a humanidade que o habita, com todos os seus dramas e cansaços, com os seus anseios e esperanças, com os seus valores e fragilidades. A terra é a nossa casa comum, e todos somos irmãos».

 

Dourados, 27 de junho de 2015

 

 

Dom Redovino Rizzardo, cs

 

Bispo diocesano de Dourados












Dourados - MS - 79800-000
Tel: 67 3422-6910

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
Newsletter

Cadastre seu email e receba nossos informativos e promoções de nossos parceiros.